“Túnel Charitas-Cafubá aberto para o tráfego de veículos”

“Túnel Charitas-Cafubá aberto para o tráfego de veículos”

Nem só de passado vive este blog! Mas sim, um sonho acalentado há muitas décadas se tornou realidade hoje, 6 de maio, com a abertura do túnel que liga a Zona Sul de Niterói à Região Oceânica. Veja a matéria publicada no jornal O Fluminense:

Galerias foram totalmente liberadas às 13h, após solenidade de inauguração
Por Vinícius Rodrigues em 6/05/2017

O que era ‘lenda urbana’ se tornou realidade. O túnel Charitas-Cafubá, que liga a Zona Sul e a Região Oceânica de Niterói, saiu do papel e, desde as 13 horas, está com as duas galerias operando normalmente para motoristas e ciclistas. Na solenidade, que começou ás 10 h no Cafubá e reuniu mais de 150 pessoas, entre autoridades e moradores, o prefeito Rodrigo Neves, emocionado, falou do dia histórico.

“Foram mais de 50 etapas concluídas. É um dia marcante para a cidade e para todos nós, niteroienses. Em um contexto de crise e tantas adversidades, entregamos o túnel com seis meses de antecedência e agora o cidadão que passar por esse túnel vai saber que o seu deslocamento será feito em apenas dois minutos”, comemorou o prefeito, acompanhado da família.

Após a solenidade de abertura, Rodrigo Neves, acompanhado do vice-prefeito Comte Bittencourt, do secretário-executivo Axel Grael e de outros secretários, saíram em carreata pela galeria Prefeito João Sampaio (sentido Charitas) e, de bicicleta, retornou à Região Oceânica pela galeria Jornalista Antônio Pimentel. O percurso de carro durou pouco mais de um minuto. De bicicleta, o trajeto foi feito em cinco minutos.

“Vai salvar nossas vidas. Vou poder ir pra Região Oceânica de bicicleta todos os dias sem precisar dar uma volta ao mundo”, disse o camelô Sergio Santos, 35 anos, um dos primeiros a atravessar uma das galerias.

O túnel Charitas-Cafubá faz parte da TransOceânica, um corredor viário com 9,3 quilômetros de extensão, entre o Engenho do Mato e Charitas. A prefeitura de Niterói estima que. quando a via estiver concluída, o tempo de deslocamento, de ônibus, entre os dois bairros será de 20 minutos.

A expectativa ainda da prefeitura é de que, nos horários de pico, até mil carros passem, por hora, por ali. O custo total das obras da TransOceânica é de R$ 310 milhões.

Mudança – Ao longo da orla de São Francisco e Charitas, o horário permitido para o estacionamento será alterado. Em São Francisco, na Avenida Quintino Bocaiúva, no sentido Icaraí, não será permitido o estacionamento de segunda a sexta-feira, das 5h às 10h, do lado direito e no canteiro central. Já no sentido Jurujuba, junto ao canteiro central, fica proibido estacionar das 16h às 20h, nos dias úteis.

Em Charitas, na Avenida Silvio Picanço, sentido Icaraí, será permitido estacionar do lado direito da via no trecho entre a Maison Cascade e o cemitério São Francisco Xavier. Também será possível parar do lado esquerdo da via, no trecho entre o restaurante Verdana e o posto BR. Já no sentido Jurujuba será permitido estacionar do lado esquerdo da via (canteiro central), e, no lado direito da via, será permitido parar somente nas baias de estacionamento.

Um sonho que começou há 70 anos

O dia 7 de julho de 2015 pode ser considerado um marco para Niterói. Foi neste dia, às 11h53, no Cafubá, que o botão para a primeira detonação do túnel foi acionado. Para esse dia histórico foram utilizados 150 explosivos. No total foram 600 mil quilos de explosivos e seis mil toneladas de rochas perfuradas.

Apesar dos números grandiosos, a história dessa construção começou pequena, bem antes, mais precisamente há 74 anos.

O primeiro esboço do túnel Charitas-Cafubá de que se tem registro é um rascunho de 1943, divulgado pela Universidade Federal Fluminense (UFF).

Há cerca de 40 anos surgiram as primeiras versões de projeto para a realização da obra. No entanto, nehuma delas foi à frente.

“Quando eu nasci, aqui no Cafubá, cresci ouvindo as mesmas histórias, mas a gente sabe que alguns assuntos funcionam como lenda urbana, né? Quando soubemos que realmente sairia do papel, que tinha um projeto, imediatamente lembrei da minha mãe, que dizia não acreditar nessa obra enquanto ela estivesse viva. Infelizmente ela faleceu há 10 anos e não pode ver o túnel pronto”, disse o aposentado Wladimir Santiago, 67 anos.

Somente em 2015, não apenas o túnel, mas toda a Avenida Francisco da Cruz Nunes passou por obras, saindo do papel e tornando realidade uma ideia concebida há quase três quartos de século.

Números – Cada túnel terá duas galerias, cada uma com 1.350 metros de extensão, 1.100 lâmpadas de led, 16 ventiladores para o sistema de exaustão e 40 câmeras.

Além disso, são seis painéis de emergência, 80 interfones, 200 sinalizadores de evacuação de área e 252 cornetas, sendo 120 em cada galeria, mais quatro em cada porta de saída de emergência, com conjuntos de amplificadores, formando um moderno sistema de sonorização.

Dentro do túnel, a velocidade permitida para carros é de 80 km/h. Já a velocidade permitida para caminhão e ônibus é de 60 km/h.”

 

 

Anúncios